Notícias do Mercado

valor_economico

valor

O Valor Econômico é o mais importante veículo de economia, finanças e negócios do Brasil. Traz notícias, cotações, blogs e conteúdo sobre cultura, estilo, carreiras e investimentos

Diretório do PSDB-SP nega ilegalidades apontadas por Eduardo Leite em filiação de correligionários - Em ”27-10-2021” -
Governador do RS mencionou fraudes em registros de novos filiados, a fim de ampliar a votação no governador de São Paulo, João Doria, nas prévias do partido, marcadas para 21 de novembro O diretório estadual do PSDB em São Paulo apresentou resposta à representação feita pela equipe do governador do Rio Grande do Sul e pré-candidato a presidente, Eduardo Leite. Ele acusou de ter havido fraudes em registros de novos filiados, visando ampliar a votação no governador de São Paulo, João Doria, nas prévias do partido, marcadas para 21 de novembro. O PSDB paulista teria filiado 92 prefeitos e vice-prefeitos do Estado fora do prazo estabelecido pela sigla. Leite disputa a vaga para concorrer a presidente com Doria e com o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio. Leite acusou de ter havido fraudes em registros de novos filiados, visando ampliar a votação de João Doria nas prévias do PSDB Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini “Não existe ilegalidade em eventuais descasamentos entre as datas de filiações, realizadas sempre em conformidade com o estatuto, e as datas dos eventos comemorativos das adesões de novos correligionários de relevo ou das anotações das filiações no “filia” do Tribunal Superior Eleitoral”, diz nota assinada pelo presidente do diretório estadual tucano, Marco Vinholi, também secretário de Desenvolvimento Regional do governo Doria. Segundo o comunicado, as filiações têm como objetivo dar impulso ao crescimento do partido. “O PSDB-SP já filiou desde o início desta gestão, em 2019, até hoje 205 mandatários, desses 97 em 2019 e 2020. Depois de 31 de maio foram filiados e anunciados mais 15 mandatários, entre eles os deputados Joice Hasselmann e Adalberto Freitas, que não estão aptos a votar nas prévias partidárias”, diz o texto da nota. “É latente que fazemos as filiações pelo crescimento do partido, todos os anos”, afirma o comunicado. Leite e Doria travam uma guerra pela conquista de correligionários em São Paulo. Representando cerca de 55% do PSDB no país, Estado é estratégico para uma vitória na prévia. Nesta terça-feira (26), a bancada do PSDB em Ribeirão Pires, cidade do ABCD Paulista, confirmou apoio à candidatura de Leite. Nesta segunda, foi a vez de o diretório municipal de São José dos Campos a confirmar apoio ao governador gaúcho. No sábado, Doria recebeu o apoio do prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira. O governador paulista contabiliza o apoio de 11 prefeitos daquela região do interior de São Paulo.

Aura Almas Mineração pede registro de companhia aberta na CVM - Em ”27-10-2021” -
A Aura Almas Mineração pertence ao grupo Aura Minerals e é uma sociedade anônima de capital fechado, com sede na cidade de Almas, Estado do Tocantins A Aura Almas Mineração apresentou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pedido de registro de companhia aberta. A empresa pertence ao grupo Aura Minerals. A Aura Almas Mineração é uma sociedade anônima de capital fechado, com sede na cidade de Almas, Estado do Tocantins. A empresa foi convertida de sociedade de responsabilidade limitada em sociedade anônima em 16 de junho deste ano e, em julho, realizou uma oferta pública de distribuição de debêntures (da 1ª emissão), com esforços restritos, na qual captou R$ 400 milhões. Na ocasião, informou que os recursos obtidos serão utilizados para o desenvolvimento do Projeto Almas, localizado no Estado do Tocantins, e/ou para investimento em aquisição de ativos ou participações societárias em outras sociedades que tenham como atividade principal a mineração. Segundo informações enviadas pela empresa no último dia 19, durante os exercícios sociais encerrados em 31 de dezembro de 2018, 31 de dezembro de 2019 e 31 de dezembro de 2020, Almas encontrava-se em estágio pré-operacional, incorrendo em despesas relacionadas com manutenção dos ativos e estudos de pré-viabilidade e viabilidade do Projeto Almas. Reprodução

Total de 2.775 prefeituras tem despesas com educação abaixo do mínimo constitucional de 25%, aponta Frente Nacional de Prefeitos - Em ”27-10-2021” -
Segundo a FNP, cerca de R$ 14 bi devem deixar de ser aplicados em 2021. Mas, apesar da dificuldade de cumprir o valor fixado em Constituição, municípios estão investindo mais na área Um total de 2.775 municípios registra aplicação de recursos na educação inferior ao mínimo constitucional de 25% das receitas no acumulado do ano até agosto. O levantamento é da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), em análise de dados de 3.413 prefeituras que incluíram informações até o quarto bimestre no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Petrobras diz que reajuste de preços segue políticas comerciais e que Bolsonaro ‘não tem bola de cristal’ - Em ”26-10-2021” -
Comunicado é resposta a pedido de esclarecimento da B3 e CVM sobre razão de o reajuste não ter sido anunciado como fato relevante e de “comentários acerca da eventual declaração do Presidente da República sobre a antecipação do preço dos combustíveis” A Petrobras afirmou ao mercado nesta terça-feira (26) que os reajustes de combustíveis seguem práticas comerciais e ressaltou a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre não ter “bola de cristal” em relação aos aumentos. O comunicado foi publicado em resposta a um pedido de esclarecimento da B3 e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O questionamento das autoridades regulatórias foi referente ao porquê de o reajuste não ter sido anunciado como fato relevante, além de “comentários acerca da eventual declaração do Presidente da República sobre a antecipação do preço dos combustíveis”. Petrobras: ajustes de preços nos combustíveis seguem as políticas comerciais vigentes Imagem retirada do Facebook / Petrobras Em resposta, a estatal afirmou que os ajustes de preços seguem as políticas comerciais vigentes, e que os ajustes realizados em 28 de setembro e 8 de outubro refletiam “somente parte da eleição nos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio do período”. Já em relação ao comentário de Bolsonaro, feito antes do mais recente ajuste, a companhia ressaltou o discurso do presidente para afirmar que não houve vazamento de informações. “O Presidente da República afirmou não possuir ‘informação privilegiada’ ou ‘bola de cristal’, assim como não especificou o produto, a data ou valor do possível aumento de preços. Dessa forma, a companhia entende que não havia qualquer ato ou fato que caracterizasse Fato Relevante”, afirma a Petrobras.

Senadores aprovam relatório final da CPI da Covid com 80 pedidos de indiciamento - Em ”26-10-2021” -
O parecer final do senador Renan Calheiros foi aprovado por 7 votos a 4. Texto pede indiciamento, entre outros, do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos Flávio, Eduardo e Carlos Após 182 dias de investigação, depoimentos, quebras de sigilo e até uma prisão, a CPI da Covid aprovou, por sete votos a quatro, o parecer final do senador Renan Calheiros (MDB-AL). O texto pede o indiciamento de 78 pessoas e duas empresas, incluindo o presidente Jair Bolsonaro, ministros e ex-ministros de Estado, secretários, seis deputados federais e um senador, incluídos aí os filhos do presidente que são congressistas: o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), além do vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Renan disse esperar que o resultado da investigação parlamentar leve entidades, juristas e a sociedade civil a entrarem com novos pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, a exemplo do que ocorreu no governo do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992. “Nós comprovamos, mediante provas, o cometimento de crimes de responsabilidade por parte do presidente da República. Qualquer brasileiro pode pedir com base no que a CPI apurou. No impeachment do Collor, a CPI apurou e quem pediu impeachment foi a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e outras entidades”, lembrou. Em sua última fala à CPI, Renan fez suas mais duras críticas a Bolsonaro, dizendo-se convicto de que há “um homicida” neste momento no comando do país. “O caos do governo Jair Bolsonaro entrará para a história como o mais baixo degrau da indigência humana e civilizatória. Reúne o que há de mais rudimentar, infame e sombrio da humanidade. Sabotou a ciência, é despreparado, desonesto, arrogante, autoritário com índole golpista, belicoso, mentiroso e agiu, como um missionário enlouquecido, para matar o próprio povo. Esse relator está sobejamente convencido que há um homicida homiziado no Palácio do Planalto”, afirmou. Na avaliação de Renan, o Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, deve tomar alguma atitude num prazo de até 30 dias. “É um prazo e aí vamos nesse período fazer a denúncia do Tribunal Penal Internacional, com os mesmos juristas, sendo que alguns entrarão com pedido de impeachment. Vamos mandar para outras instâncias os casos específicos cujo foro especial não é compatível com a PGR. Isso vai ensejar decisão contra outros investigados debaixo para cima”, concluiu. Presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) disse que irá amanhã, às 10h30, entregar o relatório a Aras. “Queria e queremos justiça. Se alguém acha que algum procurador vai matar no peito, vai ter que dizer como”, desafiou. O relator chegou a incluir outro integrante da CPI, o senador bolsonarista Luis Carlos Heinze (PP-RS) no rol de pedidos de indiciamento, mas recuou após presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), classificar a medida como um “excesso”. "Peço que se retire Heinze porque manifestou desvarios usando a tribuna da comissão. Na minha visão, seria um agravante. Mas me rendo ao presidente Pacheco: imunidade parlamentar. Não se gasta vela boa com defunto ruim”, disse o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que havia solicitado, mais cedo, o enquadramento do colega por disseminação de fake news. O colegiado aprovou, além do apontamento de Bolsonaro por nove crimes, um pedido de quebra de sigilo das redes sociais do presidente e o bloqueio de acesso às plataformas. A solicitação será encaminhada à Procuradoria-Geral da República (PGR). O pedido de quebra de sigilo tem alcance até abril de 2020, quando a pandemia começou a se agravar. A comissão quer que Bolsonaro seja banido das redes sociais por representar um risco de proliferação de notícias falsas. Vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fez um discurso emocionado, em que disse “o ódio não será o legado triste deste momento da história. O que motivou essa CPI foi a produção do mal em larga escala. Esta comissão tirou o Brasil do cercadinho. Esta CPI foi chamada quando outras instituições pereceram, colocou o ódio em seu devido lugar. O Brasil é muito melhor do que o Brasil que está aí”. Senador e filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) afirmou na CPI da Covid que vai enviar ao Ministério Público Federal acusações de possíveis 21 crimes que, em sua opinião, foram cometidos por Renan Calheiros. Para Flávio, “essa CPI é o maior atestado de idoneidade do governo” de seu pai. O senador disse que “o Brasil se destacou positivamente” no combate à pandemia. “Fomos melhores que muitos países”. Os ministros do Trabalho e da Saúde, Onyx Lorenzoni e Marcelo Queiroga, não quiseram se manifestar até o fechamento desta reportagem. Outros ministros e ex-ministros que estão entre aqueles com pedido de indiciamento não responderam. Edilson Rodrigues/Agência O Globo

Banco Inter reverte prejuízo e anota lucro no 3º trimestre - Em ”26-10-2021” -
A instituição reportou lucro líquido de R$ 19,2 milhões, revertendo prejuízo de R$ 8,1 milhões registrado em igual período do ano passado O Banco Inter informou, nesta terça-feira (26), que teve um lucro líquido de R$ 19,2 milhões no terceiro trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 8,1 milhões registrado em igual período do ano passado. O avanço foi impulsionado pelo crescimento das receitas totais, que somaram R$ 869 milhões entre julho e setembro, o que representa uma expansão de 149% sobre o terceiro trimestre de 2020. Dentro desse faturamento, as receitas de serviços atingiram R$ 345,5 milhões, em alta de 157% na base anual, alavancadas pelo resultado das operações Inter Invest, floating e cartões. Em mensagem na demonstração de resultados, João Vitor Menin, CEO do Banco Inter, apontou que, nos nove primeiros meses do ano, foi superada a marca de R$ 2 bilhões em receitas totais, o que corresponde a um incremento de 123% ante igual período do ano passado. “Este processo de crescimento em receitas tende a se manter, à medida que observamos o amadurecimento da nossa base de clientes.” A carteira de crédito ampliada, por sua vez, atingiu R$ 16 bilhões, o que corresponde a um aumento de 116% ano a ano. Já a inadimplência acima de 90 dias caiu 0,7 ponto percentual na comparação anual, fechando o terceiro trimestre em 2,8%. O banco chegou a 14 milhões de clientes, um avanço de 94% sobre o terceiro trimestre de 2020. Fachada do Banco Inter Divulgação

Renan Calheiros espera que CPI tenha “efeito Collor” e gere pedidos de impeachment em série contra Bolsonaro - Em ”26-10-2021” -
O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse esperar que a aprovação do relatório final da comissão de inquérito, nesta terça-feira (26), leve entidades, juristas e a sociedade civil a entrar com novos pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a exemplo do que ocorreu no governo do ex-presidente Fernando Collor de Mello, atual senador. "Nós comprovamos, mediante provas, o cometimento de crimes de responsabilidade por parte do presidente da República. Então o que é comum acontecer? Alguém pedir o impeachment do presidente, pode ser uma entidade. Qualquer brasileiro pode pedir com base no que a CPI apurou. A CPI não pode fazê-lo diretamente. No impeachment do Collor, a CPI apurou e quem pediu impeachment foi a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e outras entidades, com base no que a CPI apurou", lembrou. Calheiros sobre posição de Aras frente ao relatório da CPI: "O PGR tem obrigação de fazer. Ele vai arquivar isso?" Edilson Rodrigues/Agência O Globo No relatório final, a CPI sugere que o presidente seja responsabilizado por nove crimes, entre eles crime de epidemia com resultado de morte, charlatanismo e prevaricação. Se aprovado, o documento será encaminhado a autoridades competentes, as quais cabem a decisão de dar ou não prosseguimento aos pedidos de indiciamento. Renan voltou a enfatizar que a CPI vai preparar agora uma ação subsidiária para apresentar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). "Aí pode ter uma ação subsidiária à ação pública, junto ao STF. A CPI vai ficar como observatório, continuando a receber denúncias e cobrando a concretização dessas propostas legislativas e da próprias investigações", explicou. Em seguida, ele fez nova cobrança direta ao procurador-geral da República, Augusto Aras, sobre o assunto. "Essa investigação é única, se fez à luz do dia, a sociedade acompanhou. Uma coisa é você arquivar um relatório de uma CPI que a sociedade não acompanhou, outra coisa é esse que tem uma repercussão no mundo como nenhuma outra instituição parlamentar teve. O PGR tem obrigação de fazer. Ele vai arquivar isso?", questionou. Na avaliação de Renan, Aras deve tomar alguma atitude num prazo de até 30 dias. "É um prazo e aí vamos nesse período fazer a denúncia do Tribunal Penal Internacional, com os mesmos juristas, sendo que alguns entrarão com pedido de impeachment. Vamos mandar para o TCU, outras instâncias os casos específicos cujo foro especial não é compatível com a PGR. Isso vai ensejar decisão contra outros investigados de baixo para cima", concluiu.

Brasil tem 409 mortes por covid-19 em 24 horas; média móvel se mantém abaixo de 400 - Em ”26-10-2021” -
Segundo o levantamento do consórcio de veículos de imprensa feito nesta terça-feira (26), o total de óbitos provocados pelo novo coronavírus subiu para 606.293 O Brasil registrou 409 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o levantamento do consórcio de veículos de imprensa feito junto às secretarias estaduais de Saúde do país, nesta terça-feira (26). Com isso, o total de óbitos provocados pelo novo coronavírus subiu para 606.293. Amapá, Roraima e Sergipe não registraram vítimas no último dia. A média móvel de mortes nos últimos sete dias foi de 342 por dia – abaixo da marca de 400 pelo 15º dia seguido –, um aumento de 7% em relação aos óbitos registrados em 14 dias. De acordo com o balanço de hoje, fechado às 20h, o número de casos registrados da doença de ontem pra hoje foi de 13.414. Com isso, o total de infectados pela covid-19 subiu para 21.748.303. A média móvel de casos nos últimos sete dias foi de 11.966 por dia, uma alta de 6% em relação aos casos registrados em 14 dias. Os dados divulgados pelo consórcio de imprensa foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, “O Globo”, “Extra”, “O Estado de S.Paulo”, “Folha de S.Paulo” e UOL, que passaram a trabalhar de forma colaborativa desde o dia 8 de junho de 2020 para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal.

Roubini: Mundo pode enfrentar estagflação semelhante à dos anos 1970 - Em ”26-10-2021” -
O mundo pode enfrentar um cenário de estagflação nos próximo anos, de modo semelhante ao visto nos anos de 1970, alertou o professor emérito da Stern School of Business da Universidade de Nova York e CEO da Roubini Macro Associates, Nouriel Roubini. O economista americano, que ganhou fama nos anos 2000 e ficou conhecido como "Doutor Catástrofe" diante das previsões mais pessimistas que o mercado e seus colegas de profissão, avaliou o cenário econômico global pós-pandemia durante evento da Anbima hoje. Na visão do especialista, ainda que as principais economias globais tenham mostrado uma recuperação em "V" até a metade deste ano, "infelizmente, neste momento, a recuperação começou a estagnar no mundo todo". Roubini avalia que os países estão prestes a entrar em uma era de inflação elevada com um crescimento baixo. "Houve um afrouxamento maciço na política monetária tanto nas economias avançadas quanto nos mercados emergentes", explicou o economista. "Mas muitos emergentes enfrentaram problemas de depreciação cambial, inflação alta e tiveram de reagir à alta dos preços elevando os juros mesmo que isso prejudique a recuperação econômica." Nouriel Roubini Bloomberg O professor da Universidade de Nova York projetou um futuro desafiador em termos macroeconômicos. "Eu sou pessimista e acredito que vamos ver um aumento significativo da inflação nos próximos anos mesmo nos EUA e então a era da grande moderação está terminada", ponderou. Conforme o especialista, a combinação de políticas monetárias e fiscais extremamente frouxas com uma série de choques negativos de oferta, podem resultar em um cenário de estagflação [inflação em alta com recessão] parecido com o ocorrido nos anos 1970. "Porque temos de nos preocupar com inflação e estagflação? Um dos motivos é que o tamanho da dívida decolou no mundo inteiro", pontuou. De acordo com o economista, nos anos 1970, a proporção da dívida global em relação ao PIB mundial alcançava 100%. Nos anos 2000, a taxa era de 200%. E antes da pandemia, cerca de 360% do PIB global. Hoje, nas economias avançadas a relação subiu para 440%. Esse cenário de agigantamento das dívidas, somado às maciças injeções de estímulos por meio de pacotes fiscais e políticas monetárias nada ortodoxas, além de choques de oferta em todo o mundo cria um ambiente favorável para alimentar a inflação. "Os governos terão de gastar mais, mas aumentar impostos é politicamente difícil e nas economias avançadas podemos monetizar grandes déficits fiscais. Isso significa que os Bancos Centrais estão em uma armadilha da dívida. Se a inflação sobe vão tentar subir juros, mas isso pode levar a um 'crash' nos mercados de renda fixa e acionários." As políticas monetárias e fiscais muito frouxas têm causado bolhas em ativos ao mesmo tempo que a inflação de bens sobe em todo o mundo, citou Roubini. "Esse é o lado da demanda, entretanto há também ameaças no lado da oferta", avaliou. Na análise do economista, "há gargalos de oferta em vários setores", o que também pressiona a inflação globalmente. "Vimos esse cenário nos anos 1970, com choques que acabaram levando à inflação e estagflação." As mudanças demográficas também se somam aos fatores que vão pressionar os preços daqui para a frente. "Há um envelhecimento da população em países chaves como EUA e Japão, mas isso ocorre também na China, Rússia, Coreia e partes da Ásia", disse. "Quando há muitos jovens eles produzem e poupam, então, desse modo, o envelhecimento da população leva a aumento de demanda e de inflação." Conforme o economista, "no passado a imigração compensava o envelhecimento, porque, com muitos imigrantes era possível manter a inflação de salários baixa".

Moraes nega pedido de Roberto Jefferson para transferência a hospital particular no Rio - Em ”26-10-2021” -
Ministro do STF destacou que o laudo médico aponta "absoluta normalidade" na saúde do ex-deputado, e que um exame de ultrassonografia foi feito O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido para que o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), que está preso, fosse transferido para um hospital particular no Rio. Em seu despacho, apontou que a Secretaria de Administração Penitenciária informou que os procedimentos médicos necessários foram adotados adequadamente na unidade. Moraes também destacou que o laudo médico aponta "absoluta normalidade" na saúde do ex-deputado, e que um exame de ultrassonografia foi realizado nesta terça-feira (26). "Neste momento, verifica-se a plena capacidade do hospital penitenciário em fornecer o tratamento adequado ao preso, não havendo qualquer comprovação de que o seu estado de saúde exija nova saída do estabelecimento prisional", escreveu. Moraes: laudo médico aponta "absoluta normalidade" na saúde do ex-deputado Roberto Jefferson Foto: Nelson Jr./SCO/STF O ministro, no entanto, atendeu ao pedido para que Roberto Jefferson pudesse receber a visita de quatro médicos particulares, desde que eles observem estritamente as regras de ingresso no estabelecimento prisional. A defesa do ex-deputado pediu para que ele fosse transferido do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu 8, para o Hospital Samaritano da Barra da Tijuca, alegando "grave risco" de vida. Segundo os advogados, ele teve febre alta, taquicardia e pressão baixa. Em setembro, Moraes autorizou que ele se tratasse na unidade particular. Mas, depois da alta, o presidente do PTB licenciado teve que voltar à cadeia. Roberto Jefferson foi preso em 13 de agosto, no âmbito do inquérito que apura a existência de uma milícia digital que atua para minar o Estado Democrático de Direito. A investigação é uma continuidade do inquérito dos atos antidemocráticos.

Screen Shot 2016-01-11 at 12.46.57 PM

Noticias Contábeis

Últimas matérias publicadas

Empresas devem se preparar para possível tributação da distribuição de lucros, alerta especialista - Em 26-10-2021 -
A tributação de dividendos é um dos pontos mais polêmicos da proposta de reforma do IR. Enquanto não há desfecho, empresas devem se preparar para absorver

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49193/empresas-devem-se-preparar-para-possivel-tributacao-da-distribuicao-de-lucros-alerta-especialista/


SAC das empresas brasileiras não está preparado para atender pessoas com deficiência, aponta especialista - Em 26-10-2021 -
Ainda que 25% da população brasileira tenha algum tipo de deficiência, não há acessibilidade no atendimento ao cliente em grande parte das organizações

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49192/sac-das-empresas-brasileiras-nao-esta-preparado-para-atender-pessoas-com-deficiencia-aponta-especialista/


ICMS: entenda como funciona o tributo no preço da gasolina e as alíquotas de cada estado - Em 26-10-2021 -
Com mais um aumento nos preços dos combustíveis anunciado para esta terça-feira (26), saiba como os impostos atuam nesse segmento.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49211/icms-entenda-como-funciona-o-tributo-no-preco-da-gasolina-e-as-aliquotas-de-cada-estado/


Taxa Selic: confira a variação da taxa básica de juros ao longo de 2021 - Em 26-10-2021 -
Veja como o valor da principal ferramenta do governo no combate à inflação variou durante o ano.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49206/taxa-selic-confira-a-variacao-da-taxa-basica-de-juros-ao-longo-de-2021/


Salário líquido e bruto: cálculo, descontos e a diferença entre as remunerações - Em 26-10-2021 -
Confira quais descontos são aplicados sobre o salário bruto e saiba quanto você vai receber no final do mês.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49204/salario-liquido-e-bruto-calculo-descontos-e-a-diferenca-entre-as-remuneracoes/


Projeto inclui período de afastamento por incapacidade em tempo de contribuição - Em 26-10-2021 -
O objetivo é permitir que o segurado impossibilitado de trabalhar possa computar o período parado como tempo efetivo de contribuição.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49203/projeto-inclui-periodo-de-afastamento-por-incapacidade-em-tempo-de-contribuicao/


Confira motivos que podem causar a exclusão do MEI - Em 26-10-2021 -
O desenquadramento do cadastro na modalidade pode acontecer de forma involuntária, entenda em quais situações isso pode acontecer.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49202/confira-motivos-que-podem-causar-a-exclusao-do-mei/


Aposentadoria: saiba como incluir trabalhos antigos no cálculo do INSS - Em 26-10-2021 -
Especialista alerta que vínculos trabalhistas anteriores a 1982 não entram automaticamente no sistema do INSS.

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49199/aposentadoria-saiba-como-incluir-trabalhos-antigos-no-calculo-do-inss/


Juros para famílias e empresas sobem em setembro - Em 26-10-2021 -
A taxa média de juros para pessoas físicas chegou a 41,3% ao ano, e para as empresas,

Leia mais em https://www.contabeis.com.br/noticias/49198/juros-para-familias-e-empresas-sobem-em-setembro/


FT-Logo

Global Economy

Global Economy

What is the least we need from COP26? - Em 26-10-2021 - If global carbon emissions are to fall quickly, negotiators must bear the following in mind
Export credit agencies have stepped up during the pandemic - Em 26-10-2021 - The industry has helped backstop sectors such as airlines hit hard by Covid, saving companies and jobs
FirstFT: Facebook puts young users at centre of growth strategy - Em 26-10-2021 - Plus, Tesla valuation tops $1tn and Amazon signs cloud deal with UK secret services
Covid outbreak buffets South Korean growth - Em 26-10-2021 - Restrictions to contain the virus blamed for economy expanding just 0.3% in third quarter
Not all green jobs are safe and clean - Em 26-10-2021 - Regulators must recognise that some work involved in greening the economy is dirty, dangerous and in need of reform
Jeffrey Sachs: ‘I see no financial obstacles to getting to net zero by 2050’ - Em 26-10-2021 - With COP26 looming, the expert in sustainable development explains how we can have both decarbonisation and robust growth
European carmakers warn industry risks a repeat of chip shortage crisis - Em 26-10-2021 - Head of the European auto industry’s association says more semiconductor plants are needed in the region
Lagarde set to push back on market bets of eurozone rate rise - Em 26-10-2021 - Despite rising inflation and Weidmann’s warning shot, the ECB will most likely stay dovish on Thursday
US oil hits $85 a barrel as demand keeps ticking up - Em 25-10-2021 - S&P 500 rises 0.5% to further high while Nasdaq Composite gains 0.9%
Supply chain warnings intensify - Em 25-10-2021 - German recovery under threat; Warehouse space runs short; Retailers scramble to adapt

Otimize Seu Negócio Agora

Converse conosco sobre suas necessidades. Sem compromisso.

Somos especializados em negócios de micro, pequeno e médio porte.

Oferecemos soluções de alto desempenho e baixo custo para empresas em todas as situações financeiras.

Rolar para cima